Amurane visita mercado dos bombeiros para avaliar os danos causados pelo incêndio

0
236

Preocupado com a situação destes operadores, Mahamudo Amuarane edil de Nampula, visitou o local do mercado dos Bombeiros para colher sensibilidades.

Durante a sua intervenção Amurane dizia: “este é um exemplo claro de que os serviços municipais devem estar sobre o controle do Conselho Municipal, verificamos que os bombeiros estão a escassos metros e naturalmente poderiam ter socorrido mas não puderam fazer, segundo informações que tivemos nem se quer água tinham, não podemos responsabiliza-los porque este serviço não esta sobre o controle do CMCN, queremos aproveitar o sucedido para deixar uma mensagem clara para que a nível das autárquias muitos serviços devem estar sobre o controle dos municípios para atender as preocupações elementares das populações nao só os bombeiros com também o ensino primário e saúde que é uma lástima, tudo isso poderíamos controlar, dirigir e atender as necessidades básicas dos munícipes, se o município tivesse controle deste serviço teríamos adquirido maquinas e equipamentos que pudessem atender o mínimo em termos básicos como temos vindo a fazer nas áreas de saneamento, transporte e os demais serviços que estamos a gerir”.

Nampula é uma das melhores cidades, se não a melhor e tratamos da questão do urbanismo para a melhorar a qualidade de vida do cidadão, vimos que em termos de prejuízo foram um total de 570 barracas e cerca de um milhão de oitocentos mil dólares segundo as estimativas que nos foi passada pelos próprios operadores. É urgente que estas famílias tenham o apoio necessário e nos estamos dar o nosso melhor para que em conjunto possamos encontrar formas para normalizar e reativar a sua actividade de negócio. Neste momento uma solução imediata, foi a reunião que tivemos com os representantes do mercado dos bombeiros e estes poderão ocupar as barracas desocupadas nos mercados do matadouro e waresta enquanto estamos a criar condições a nível das estruturas dos bombeiros para ter uma solução definitiva do local, entretanto também estamos a contactar instituições bancárias para ter apoio e queremos apelar a toda comunidade nacional e internacional para um socorro urgente de modo a reativar os negócios destes operadores. Em relação a este local como sabemos não é da responsabilidade do CMCN, já entramos em contacto com Polícia da República de Moçambique (PRM) que responde por este local e esperamos que haja uma solução definitiva sobre o destino deste local, disse Amurane.

PARTILHAR